quinta-feira, 22 de junho de 2017

A diferença entre um grupo e uma equipe


Resultado de imagem para diferença entre grupo e equipe de trabalho

Primeiro vamos ver o que é um grupo: um grupo é a simples reunião de duas ou mais pessoas que se juntam visando a realização de o um objetivo. O indivíduo usa o grupo e as relações sociais do grupo como instrumentos para satisfazer suas necessidades. E que necessidades poderiam ser essas?
  • Segurança - quando se agrupam, as pessoas podem diminuir a insegurança. Elas se sentem mais fortes, têm menos dúvidas e se tornam mais resistentes às ameaças.
  • Status - a inclusão em um grupo considerado importante pelos outros proporciona reconhecimento e status para seus membros.
  • Autoestima - a filiação faz com que seus membros se valorizem perante a sociedade.
  • Associação - as pessoas normalmente gostam de se relacionar com outros integrantes do mesmo grupo.
  • Poder - aquilo que não pode ser obtido individualmente quase sempre se torna possível por meio da ação grupal. Existe poder no agrupamento.
Mas os grupos não têm a necessidade de se engajar num trabalho coletivo que precise de um esforço conjunto. O que existe é um compartilhamento de informações para ajudar cada membro com sua própria responsabilidade. Num grupo não existe a atitude de colaboração mútua capaz de aumentar o nível de desempenho geral.
Já em uma equipe, as pessoas se unem em um esforço coordenado. Um ajuda o outro e a responsabilidade é de todos. Os esforços de cada pessoa resultam em um nível de desempenho maior do que o das entradas individuais.
Equipes são capazes de melhorar o desempenho dos indivíduos quando a tarefa requer habilidades, julgamentos e experiências múltiplas. Pela interação que existe nelas, tendem a aumentar a motivação de seus componentes.
Grupos x Equipes:
  • Responsabilidade pelo resultado: nos grupos a responsabilidade é individual, nas equipes, ganhar ou perder é a responsabilidade de todos;
  • Esforço: nos grupos, cada pessoa trabalha para alcançar um determinado resultado; nas equipes todos os trabalhos se complementam para alcançar um fim único;
  • Integração e relacionamentos: nos grupos os relacionamentos interpessoais são quase neutros, ou até inexistentes. Nas equipes é necessário que existam atitudes positivas quanto aos relacionamentos;
  • Habilidades dos indivíduos: nos grupos, cada indivíduo tem suas habilidades – e como eles não dependem do outro, essas habilidades não se somam. Já numa equipe, as habilidades de cada um são constantemente testadas e melhoradas através do relacionamento entre os membros, e todos cão ficando melhores.
O que mais diferencia uma equipe de um grupo é o sonho dos indivíduos. Se cada um tiver um sonho diferente, e for cada um por si, então teremos um grupo. Se existir um sonho em comum, e todos trabalharem evoluindo em conjunto e se esforçando para alcançar esse sonho, então teremos uma equipe.
Fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/a-diferenca-entre-um-grupo-e-uma-equipe/100632/

Grupos de Trabalho nas Organizações


Resultado de imagem para grupos de trabalho nas organizações

A Importância dos Grupos

Os homens são seres sociais, portanto, necessitam viver em grupo. Apesar de passar despercebidos para si mesmos que já estão inseridos nesse contexto social. O primeiro grupo a que pertencemos é a família, e aos poucos vamos estendendo a participação no ambiente em que vivemos, como a escola, grupos religiosos e na vida adulta a admissão ao grupo organizacional.
Ao pertencermos a determinados grupos, adquirimos atitudes e comportamentos parecidos que nos molda de uma forma que levam as pessoas a perceber que somos participantes de certo seguimento, que muitas vezes chamamos de estereótipo. Quando isso acontece estamos nos referindo aos comportamentos próprio do grupo a que um sujeito é integrante, onde os participantes apresentam comportamentos parecidos ou semelhantes. Alguns grupos parecem tão homogêneos (com exceção das diferenças individuais) que as pessoas falam, gesticulam e riem da mesma forma, por exemplo.
Fazer parte de um grupo é importante para todo e qualquer indivíduo, mesmo para aqueles que negam isso. Toda pessoa que é integrante de um grupo tem um papel dentro dele. Um papel definido e ativo (ou ativo-passivo ou passivo). Caso tenha que encarar a situação de ser inserido em um novo grupo, como a entrada num grêmio estudantil, nova comunidade, nova escola, faculdade, entre outros, a tensão e a ansiedade diante dessa realidade assusta, porque há uma angústia em se encaixar, procurar semelhantes e/ou aliados. Sair do anonimato é complexo para alguns e para outros é mais uma oportunidade, mas não deixa de ser um desafio.
Todo grupo tem regras, normas, direitos e deveres, que necessariamente não precisam ser colocadas em Atas, mas apenas implícitas. Aos poucos, se reconhece o poder exercido, os benefícios e punição por não cumprir o que já está determinado, qual a forma de participar obtendo sucesso e prestígio ou então sofrer as conseqüências da má participação.
Algo que as pessoas não entendem, seja escola, faculdade, organização ou núcleo familiar, elas é que tem que se encaixar e não ao contrário. O que pode acontecer é entrar para o grupo e tentar transformá-lo o que nem sempre é fácil ou possível. Por inúmeras razões, uma delas é se o grupo está propício a mudanças, a segunda se ele quer mudanças ou se as regras já são tão velhas e arraigadas que não cabe nada novo e o terceiro e último é se as mudanças que a pessoa quer no grupo são realmente necessárias.

Os Grupos e a Organização

A figura do “capataz” dentro da organização é falida, já que os bons administradores/gestores encontram formas democráticas e atraentes para lidar com os indivíduos, com a finalidade de promover o bem-estar de todos, assim como do desenvolvimento da organização. O ideal e ter uma liderança participativa em todos os aspectos, pois dessa forma, compreendem-se os diferentes tipos de percepção, desenvolvimento cognitivo, objetivos e valores que pertencem aquele grupo.
Faz-se necessário abrir oportunidades para que as pessoas possam compartilhar suas idéias, convicções, valores, queixas e até opiniões para mudança de algo. Sendo que tudo deve ser bem analisado, compreendido e “editado” para dar retorno ao grupo, favorecendo as relações e as mudanças, caso elas sejam implementadas, cogitadas ou prometidas para o futuro.


Comportamento Grupal

As pessoas são moldadas desde o seu nascimento, montam sua personalidade nas interações com a família e os demais grupos citados no capítulo anterior, refletindo assim suas características também e não só as individuais dentro do contexto grupal. Assim, é através dessas particularidades que se posicionam e se expressam dentro do grupo. O desejo de aceitação é inerente ao ser humano, desejamos parecer melhor do que somos diante dos demais, principalmente daqueles que admiramos. Por conta disso, a mudança é sempre algo difícil e complicado, porque não é só a pessoa, mas as circunstâncias que vivem ou que experimentaram dentro grupos dos que a trouxeram até aqui.
Além da vivência nesse grupo atual e a potencialidade do envolvimento, que pode ser de caráter positivo ou negativo, o próprio grupo é maior do que ele. Há comportamentos que uma pessoa jamais demonstraria sozinha, mas quando está envolvida no grupo é capaz de coisas que ela mesma não entende porque os praticou, ou justifica pelo grupo. De forma que para administrar grupos, devemos indivíduos pensar quais são e quem são os indivíduos que o compõe. Essa é uma análise que pode levar ao sucesso ou ao fracasso. Caso desprezemos no grupo alguém que tem uma influência mais significativa que os demais, estaremos dando de frente para o “paredão”, ou para simplificar não conseguiremos administrar nem a nós mesmos.
Entende-se que o grupo tem seus padrões de convivência pré-estabelecidos com suas normas que podem favorecer ou prejudicar os planos de uma organização. Algo bem real que vemos é a organização dos grupos de metalúrgicos na grande São Paulo. O que mostra que não é algo fácil administrar grupos ou gerenciá-los. Assim podemos utilizar a comunicação, que é também um recurso encontrado por eles. Mas o importante é saber negociar, ser flexível e compreender a dinâmica e as queixas do grupo. Pois há casos que a personalidade do gestor mais atrapalha do que ajuda e endurecer nunca foi um bom negócio, ainda mais quando pensamos que sabemos tudo quando não sabemos nada. Além do mais os grupos sofrem influência e passam por transformações. Pessoas entram pessoas saem, os conceitos mudam, se ampliam, desconectam, resistem, abdicam. São muitas as variáveis que o gestor deve lidar num grupo. É importante acompanhar bem de perto a evolução dos grupos e suas influências. Como também se há sofrimento por parte de componentes que afeta a todos. Ou ainda, perturbações da ordem dentro do grupo e como estão as lideranças deles. Alguns teóricos dizem que os grupos se tornam uma só pessoa, como os torcedores de times de futebol, chegando a comportamentos bizarros e inescrupulosos conduzidos pela massa. Extremo a esses há os que defendem que a única forma de mudança grupal é a aprendizagem individual.


O Grupo e suas Influências

Há poder e influência nos grupos, para estudá-los é necessário verificar como ocorre a interação social desses indivíduos, sua história e cultura. Através da interação social os indivíduos buscam mudanças em suas atitudes, crenças e práticas. Tentam o ajustamento agindo com influência uns sobre os outros de forma a alcançar seus objetivos. Os papéis dentro do grupo passam por mudanças devido ao poder que um membro exerce sobre o outro, mas sempre haverá a dinâmica do poder e da liderança dentro do grupo.
Os grupos têm influências variadas, uns são compostos por pessoas mais cultas, intelectuais onde o poder da influência é examinado, repensado e “digerido” ou não, outros apresentam uma resistência maior para mudanças. Porém, quando o grupo é coeso, sua influência sobre seus componentes é bem maior. os majoritários são os grupos mais formais, constituídos pela maioria.
Nas Organizações não é diferente, existem grupos minoritários e majoritários. Contudo, devemos lembrar que os indivíduos podem ocupar posição majoritária em um grupo e o contrário em outro. O núcleo central tem maior poder e se vir a se afastar muito pode se desintegrar. Quanto mais próximo ao núcleo mais sólido e resistente às mudanças. As variabilidades e influências nos grupos tende a gerar novos grupos, se transformando e construindo novos realizando modificações na estrutura do grupo. Quanto mais flexível o indivíduo for mais fácil será modificar seu comportamento no grupo ou o poder exercido sobre o mesmo.

Fonte: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-organizacional/grupos-e-equipes-de-trabalho-nas-organizacoes

Os diferentes tipos de liderança e sua influência no clima organizacional


INTRODUÇÃO             Resultado de imagem para liderança e relações humanas no trabalho

Sabe-se que uma organização deve ter colaboradores motivados e comprometidos dispostos a contribuir com os objetivos da empresa, a fim de satisfazer o mercado cada vez mais exigente, que busca melhor atendimento e agilidade em suas ações. Dessa forma, existe uma preocupação, por parte das organizações, em encontrar colaboradores que façam a diferença no trabalho e descobrir líderes que influenciem seus liderados de forma que seja construído um ambiente organizacional com clima mais favorável ao crescimento da empresa e dos próprios indivíduos.
Com isso, o desenvolvimento deste artigo terá como objetivo mostrar, por meio de revisão bibliográfica, como os vários estilos de liderança podem influenciar no comportamento dos colaboradores e no clima organizacional, deixando o ambiente mais produtivo, ou por outro lado, diminuindo a satisfação e o comprometimento dos funcionários.
Este trabalho tratará de assuntos de suma importância para as organizações como: liderança, clima organizacional, comprometimento, comportamento e motivação dos colaboradores e será dividido em três capítulos. O primeiro capítulo tratará sobre liderança, onde serão estudados seus estilos, as características do líder e a diferença entre líder e chefe. No segundo capítulo, será abordado o clima organizacional. Já no terceiro capítulo será tratado sobre o comprometimento organizacional e a motivação dos colaboradores. Ao final do artigo, serão apresentadas as considerações finais a respeito do assunto em questão.
1. LIDERANÇA
Ao longo dos anos ouve-se muito falar em liderança. Pesquisas foram feitas com o propósito de conceituar o termo liderança. Apesar das diversas definições encontradas, destaca-se a de Chiavenato (2000, p.107) onde afirma que "liderança é a influência interpessoal exercida numa situação e dirigida por meios do processo da comunicação humana para a consecução de um determinado objetivo." Chiavenato (2000, p.89) ressalta ainda que "liderança é o processo de exercer influência sobre pessoas ou grupos nos esforços para realização de objetivos em uma determinada situação".
Como se pode observar, o líder deve saber influenciar pessoas para alcançar os objetivos estabelecidos. Deve possuir o poder de entusiasmar e persuadir o outro.
Franco (2008, p.55) diz que "a melhor maneira de conduzir uma empresa para o sucesso é por meio dos líderes que lá estão que viabilizarão os resultados por meio das pessoas".
Já Maximiano (2000, p.331) afirma que "a liderança é uma função, papel, tarefa ou responsabilidade que qualquer pessoa precisa desempenhar, quando é responsável pelo desempenho de um grupo".
Assim, os líderes são de extrema importância para o desempenho e o crescimento da organização, dirigindo equipes para servirem ao bem comum. Carlzon (2005, p.43) descreve que:
"Um líder não é escolhido porque sabe tudo e pode tomar qualquer decisão. É escolhido para reunir o conhecimento disponível e então criar os pré-requisitos para a realização do trabalho. Elabora os sistemas que lhe permitem delegar responsabilidade para as operações do dia-a-dia."
Com isso, os vários conceitos de liderança mostram que a figura do líder é imprescindível no ambiente de trabalho, pois é por meio de uma boa liderança que a empresa terá colaboradores motivados, um clima organizacional satisfatório com boas relações de trabalho, clientes satisfeitos, bons lucros, resultados positivos, entre outros.
É possível considerar, então, que, em qualquer grupo estabelecido, cada pessoa desempenha um papel próprio cujas funções são essenciais para que os objetivos da equipe sejam alcançados.
1.1 CARACTERÍSTICAS DO LÍDER
Ao tratar do tema liderança é importante falar também sobre as características do líder e os traços da personalidade.
"No decorrer da evolução do homem, a liderança, primeiramente, foi definida em relação às características da personalidade que diferenciam líderes de não-líderes. Isto é, os estudos buscavam encontrar características pessoais comuns entre os líderes". (STEFANO e GOMES FILHO, 2003; McGREGOR, 1992 apud FERREIRA, 2006, p.25). "Essa abordagem predominou desde o início do século XX até o final da década de 40, e foi chamada de Teoria dos Traços". (McGREGOR, 1992, p.167 apud FERREIRA, 2006, p.25).
Chiavenato (2000, p.90) mostra alguns traços característicos da personalidade:
"1.Traços físicos: como energia, aparência pessoal, estatura e peso.
2.Traços intelectuais: adaptabilidade, agressividade, entusiasmo e autoconfiança.
3.Traços sociais: cooperação, habilidades interpessoais e habilidade administrativa.
4.Traços relacionados com a tarefa: impulso de realização, persistência e iniciativa." (grifo do autor)
Com a evolução dos estudos sobre liderança, observou-se que os líderes poderiam adquirir e modificar habilidades e atitudes através da aprendizagem (McGREGOR, 1992 apud FERREIRA, 2006, p.25). Assim, com o passar do tempo essa teoria apresentou falhas e por isso, acabou perdendo sua importância.
Entende-se, então, que mesmo não acreditando que existia um conjunto de traços que identificasse um líder, não podia deixar de reconhecer, ao longo de vários estudos, a existência de duas características da liderança: a influência e a confiança.
Assim, percebe-se no que foi estudado até agora, que sem entusiasmo um objetivo jamais será alcançado. O líder entusiasmado é otimista e consegue enxergar oportunidade onde os outros enxergam dificuldade.
Alguns atributos que servem de alicerce para a liderança são mencionados por Nascimento (2008, p.70) onde afirma que:
"[...] os líderes devem cultivar as seguintes características e atributos: ouvir atentamente; despertar empatia; desenvolver atitudes positivas e otimistas; exceder promessas e compromissos; reconhecer dúvidas e vulnerabilidades pessoais; ser energético em alto nível; e ser sensível às necessidades, aos valores e ao potencial de outros."
Ainda segundo Nascimento (2008, p.70), "acentuar a liderança é um processo contínuo e interminável. Mesmo assim, nenhum líder jamais chegará ao ponto da perfeição no que diz respeito à perspicácia e à eficácia na liderança".
Com isso, observa-se que o líder não nasce pronto para liderar, pois a liderança pode ser aprendida e desenvolvida em qualquer pessoa.
1.2 A DIFERENÇA ENTRE LÍDER E CHEFE
É comum observar que muitas pessoas em cargos de chefia não estão preparadas para conduzir uma equipe. Muitas acham que ser chefe é a mesma coisa que ser líder. Isso não é verdade, pois liderar não é a mesma coisa que chefiar. Segundo Tourinho (1981 apud SOBRINHO e ALMEIDA, 2002, p.26):
"Chefe é alguém que exerce o poder de mando em virtude de uma autoridade oficial ou oficiosa. Líder é uma pessoa que, graças à própria personalidade e não a qualquer injunção administrativa, dirige um grupo com a colaboração dos seus membros."
Assim, infere-se que o líder é uma pessoa que dirige sua equipe com a ajuda dos seus liderados, sendo que todos estão voltados para um objetivo coletivo.
De acordo com Beal & Bohlen & Raudabaugh (1965 apud SOBRINHO e ALMEIDA, 2002, p.27):
"A palavra é usada não só para designar quem comanda (chefe) como para quem guia (líder). Na prática há enormes diferenças nos tipos de liderança. Às vezes o chefe não lidera e sim tem um poder autoritário sobre os liderados. Já o líder é a pessoa que tem maior domínio sobre os membros do grupo ou equipe."
Portanto, refletindo sobre liderança e autoridade, observa-se que o líder tem seguidores que compartilham as mesmas ideias, encontrando os melhores resultados de forma autônoma. Aquele que exerce poder, no caso do chefe, para conseguir a adesão do grupo corre o risco de ser sabotado sem saber o que está se passando, pois um funcionário insatisfeito pode influenciar toda a equipe contra uma ideia mais do que o próprio chefe a favor dessa mesma ideia.
Nesse sentido, pode-se afirmar que nenhuma liderança pode ser imposta. Ninguém ensina uma pessoa a ser líder, pois esta habilidade é adquirida com as experiências vividas, com os problemas enfrentados e com as oportunidades que vão surgindo com o passar do tempo. Quanto mais o líder se comprometer, maior será sua responsabilidade. Assim, entende-se que os líderes são responsáveis pelo sucesso ou fracasso da organização, já que liderar não é tarefa fácil e exige paciência, disciplina, respeito, humildade e compromisso.
1.3 ESTILOS DE LIDERANÇA
Dentre várias teorias de liderança estudadas ao longo do tempo por diversos autores, será abordada aqui apenas a Teoria Comportamental e seus três estilos de liderança. Primeiro pretende-se entender o que significa estilo de liderança.
Segundo Maximiano (2000, p.343) "estilo de liderança é a forma como o líder se relaciona com os integrantes da equipe, seja em interações grupais ou pessoa a pessoa. O estilo pode ser autocrático, democrático ou liberal, dependendo de o líder centralizar ou compartilhar a autoridade com seus liderados".
De acordo com a Teoria Comportamental, Bonome (2008, p.60) conceitua liderança autocrática como:
"Supervisão cerrada com a chefia determinando o que deve fazer, escolhendo os membros, elogiando ou criticando, não se envolvendo pessoalmente com os indivíduos. Os indivíduos mostraram-se frustrados, tensos e consequentemente agressivos."
Já Maximiano (2000, p. 344) diz que no comportamento autocrático:
"Quanto mais concentrada a autoridade no líder, mais autocrático seu comportamento ou estilo. Muitas formas do comportamento autocrático abrangem prerrogativas da gerência, como as decisões que independem de participação ou aceitação. Infelizmente, o estilo autocrático pode degenerar e tornar-se patológico, transformando-se no autoritarismo. Arbitrariedade, despotismo e tirania, que representam violências contra os liderados, são exemplos de comportamentos autoritários."
Por meio desses conceitos entende-se que o líder autocrático é centralizador, define os objetivos de seus subordinados, além de escolher o método de trabalho, não deixando que os liderados participem das decisões tomadas.
Quanto à liderança democrática, Bonome (2008, p.60) diz que:
"O líder portou-se de modo impessoal – orientação e decisão em grupo, tarefas previamente decididas e bem comunicadas em que o grupo escolhia e dividia o trabalho por si mesmo. O líder elogiava o grupo e não o indivíduo. Facilidade de comunicação, franqueza, amizade e responsabilidade predominavam."
Já Maximiano (2000, p.344) diz em sua afirmação referente ao comportamento democrático que:
"Quanto mais as decisões forem influenciadas pelos integrantes do grupo, mais democrático é o comportamento do líder. Os comportamentos democráticos envolvem alguma espécie de influência ou participação dos liderados no processo de decisão ou de uso da autoridade por parte do dirigente."
Portanto, observa-se que o líder democrático toma suas decisões com o consenso do grupo incentivando a participação de todos na tomada de decisões. Delega autoridade para que seus liderados sugiram e executem os objetivos traçados, aceitando as decisões do grupo e não esquecendo de usar o feedback.
O terceiro estilo de liderança da Teoria Comportamental é a liderança liberal, onde Bonome (2008, p.60) comenta que:
"O grupo permaneceu à vontade no trabalho. O líder deu completa liberdade, nada fez para interferir no trabalho do grupo. Não houve crítica, elogio ou orientação ao grupo. Os indivíduos mostram-se confusos, porém com muita atividade. Embora não tivesse ocorrido interferência do líder, o respeito deu lugar a atitudes agressivas."
Maximiano (2000, p.344) em seu conceito sobre comportamento liberal comenta que "o líder transfere sua autoridade para os liderados, conferindo-lhes o poder de tomar decisões". Diz ainda, que "quanto mais o líder delegar decisões para os liderados, mais liberal é seu comportamento".
Assim, percebe-se que esse tipo de líder toma poucas decisões, pois a maior parte delas é tomada pelos seus subordinados que tem ampla liberdade, em virtude da ausência de avaliação de desempenho.
Segundo Maximiano (2000, p.344) "uma ideia bastante disseminada sobre os estilos de liderança coloca dois comportamentos – autocracia e democracia – como pontos de uma escala". Diz ainda que "conforme a autoridade se concentra no líder, a autonomia do liderado diminui, e vice-versa".
Segundo Maximiano (2000, p. 346) o líder orientado para a tarefa tende a apresentar os seguintes comportamentos:
"Focaliza o trabalho do subordinado ou grupo, enfatizando o cumprimento de prazos, os padrões de qualidade e a economia de custos; insiste na necessidade de cumprir as metas, e superar a concorrência ou o desempenho passado; esclarece as responsabilidades individuais e designa tarefas para pessoas específicas."
Já o líder orientado para as pessoas, segundo Maximiano (2000, p.346) "focaliza o próprio funcionário ou grupo, enfatizando as relações humanas e o desenvolvimento da capacidade de trabalhar em equipe; ouve e presta atenção; é amigável; apóia os funcionários".
Portanto, infere-se que toda organização desenvolve estilos diferentes de liderança e que, dependendo do estilo adotado, o grupo poderá ajudar no atingimento das metas mais rapidamente ou até mesmo retardar o alcance dos objetivos. Determinados estilos, quando colocados em prática, desenvolvem maior desempenho por parte dos trabalhadores.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Por meio dos estudos apresentados, observou-se que o líder deve estar preparado para influenciar seus liderados, levando-os a alcançar os objetivos traçados pela empresa. Além disso, um bom líder tem a grande responsabilidade de construir um clima organizacional satisfatório e equilibrado para que haja boas relações de trabalho e resultados positivos. Confirmou-se também, que um líder entusiasmado enxerga oportunidade onde outras pessoas só enxergam dificuldade.
Com isso, analisou-se a diferença entre líder e chefe chegando à conclusão que o líder focaliza as pessoas e ajuda sua equipe a alcançar os objetivos traçados. Já o chefe, exerce o poder de mando focalizando mais nos sistemas e estruturas, além de correr o risco de ser sabotado pelos seus empregados se não tiver suas ideias aceitas pelo grupo.
Quanto aos tipos de liderança, foi dada ênfase à Teoria Comportamental e seus três estilos: autocrático, democrático e liberal. Por meio desses três estilos, pode-se entender que cada tipo de liderança pode influenciar, diferentemente, o clima organizacional e o comportamento dos colaboradores.
Uma liderança com um comportamento autocrático terá o líder dizendo aos seus liderados o que deve ser feito, mas não se envolvendo com as pessoas. Ele toma decisões sem que haja a participação ou aceitação do grupo. Com isso, as pessoas se mostrarão frustradas, tensas e até mesmo agressivas, tornando o clima organizacional mais difícil e cheio de conflitos.
Já o líder democrático toma decisões em grupo, decidindo as tarefas e deixando que a equipe divida entre si o trabalho proposto. O líder elogia o grupo, e não o indivíduo. Há facilidade de comunicação e há predominância de responsabilidade. Provavelmente, os liderados se sentirão mais motivados e reconhecidos pela liderança, acarretando assim, um ambiente mais confiante e agradável, onde será desenvolvido um serviço de qualidade por pessoas dispostas a executar tarefas bem feitas e, por conseguinte, cometendo menos falhas.
Viu-se também, que o líder liberal deixa sua equipe à vontade no trabalho, não interferindo na execução das atividades, nem criticando ou elogiando os integrantes do grupo. Transfere a sua autoridade para os liderados, eximindo-se de qualquer decisão. Com isso, as pessoas mostram-se confusas, podendo desenvolver atitudes agressivas e, consequentemente, tornando o clima desgastante, além de desenvolver atividades com ineficiência, propiciando desperdícios e demais prejuízos à empresa, em virtude da ausência do líder.
Assim, fica claro que o clima organizacional reflete o tipo de liderança. Por isso, é fácil visualizar várias organizações com diferentes ambientes, diferentes atendimentos e, com isso, entende-se o motivo pelo qual determinadas empresas alcançam o sucesso e outras não.
Por fim, este trabalho mostrou a importância do líder no clima organizacional e no comportamento das pessoas, já que para que haja um ambiente saudável e funcionários satisfeitos, é preciso haver a figura do líder que saiba ouvir as pessoas e ajudá-las a se comprometerem com a empresa. Deve saber lidar, também, com os conflitos que venham surgir, transformando-os em resultados construtivos, fazendo com que sua equipe reflita e amadureça diante das desavenças, pois comportamentos positivos requerem pessoas com maturidade pessoal e profissional.
Fonte: http://www.administradores.com.br/producao-academica/os-diferentes-tipos-de-lideranca-e-sua-influencia-no-clima-organizacional/5220/

Trabalho: entre o prazer e o sofrimento

Por Yesica Núñez Pumariega         Resultado de imagem para vivencias de prazer e sofrimento no trabalho        


     & Shírlei da Silva Paganini

Introdução

    O trabalho sempre fez parte da vida do homem, ele é considerado qualquer atividade física ou intelectual, realizada pelo ser humano, sendo o objetivo, produzir ou obter algo para satisfação pessoal ou desenvolvimento econômico.
    Assim como alguns sociólogos tais como Foucault, Max e Kant visavam o trabalho como necessidade da vida humana e como prolongamento da atividade natural do homem, a Psicodinâmica do Trabalho surgiu segundo DEJOURS (1992), na França nos anos 80 desenvolvida por ele mesmo, possibilitando, uma compreensão contemporânea da subjetividade no trabalho. Esta também teve como proposta, direcionar e se preocupar com a saúde do trabalhador, ou seja, se preocupa com o porquê e os elementos que levam o trabalhador a adoecer no seu trabalho, dando voz ao trabalhador de expressar seus sentimentos, e contradições no contexto do trabalho, que são consideradas as principais geradoras de sofrimento e prazer no trabalho.
    Bouyer (2010) destaca alguns pontos principais da Psicodinâmica do trabalho com base nas publicações de Dejours sendo estes: A importância do reconhecimento; a construção da identidade; compromisso entre sofrimento e defesa; sublimação como estratégia de enfrentamento; racionalidade prática; alienação social; e outros.
    O trabalho na atualidade não diferente da nossa antiguidade é fonte de sobrevivência, de prazer e de sofrimento. Este faz parte da construção da identidade e subjetividade do homem. No capitalismo o trabalhador, vende sua força de trabalho para realizar a reprodução social, consumir e produzir. Este tipo de trabalho aliena o homem, fazendo com que este não reconheça aquilo que produz e desconheça seu processo de produção. No capitalismo, que se baseia no lucro, o trabalhador é considerado por aquilo que produz e na qualidade de sua produção, na maneira em que este não atenda as demandas do sistema este é simplesmente descartado, ou seja o trabalhador não é dono dos meios de produção e do trabalho, estes pertencem ao capitalismo. Desta maneira pode-se afirmar que a essência do capitalismo se encontra na separação entre o capital e o trabalho. O trabalho pode ser fonte de prazer ou de sofrimento, sendo que este último é resultante do reconhecimento que pode vir pelos pares ou chefias enquanto que o sofrimento resulta da falta de reconhecimento e insatisfação pelo coletivo de trabalho.

Resultados das discussões
Prazer
    O prazer e o reconhecimento são essenciais na compreensão, resignificação e transformação do sofrimento. A organização de trabalho tem a capacidade de agir como mediadora da construção de métodos favoráveis à saúde, ou pode ocorrer o oposto, conduzir ao adoecimento.
    Através de pontuações da trabalhadora (Assistente Social) observa-se que o trabalho ao mesmo tempo em que lhe trás prazer lhe causa sofrimento e grande insatisfação pela falta de reconhecimento pelas chefias, apesar disso a mesma demonstra sentir prazer e gostar do que ela faz, sendo uma grande satisfação ver seus alunos (clientes) felizes e saber que ela colaborou para que tal comportamento estivesse presente.
    Segundo Mendes e Muller (2013) a visão psicodinâmica da busca pelo prazer e a maneira de evitar o sofrimento são partes da constituição subjetiva, formação do ego e de todos os mecanismos de defesas individuais e coletivos; sendo essa uma busca incessante, pois ao alcançar a gratificação, substitui-se por outro desejo, dando origem a uma nova busca pelo prazer e evitação do sofrimento, sendo a sublimação um dos caminhos mais benéficos e eficazes para o encontro com a satisfação.
    Sabendo que o trabalho pode ser tanto fonte de sofrimento, quanto de prazer é necessário que a organização de trabalho possua um espaço de negociação entre o sujeito e o real do trabalho, para que haja um ambiente favorecedor à saúde o que proporciona a existência de liberdade para regular os objetivos da organização aos desejos, anseios e necessidades dos funcionários e leva ao estabelecimento de relações sócio-profissionais democráticas e justas entre a instituição e trabalhador. Desta maneira, o trabalho deve proporcionar ao trabalhador uma mobilização subjetiva, uma atividade psíquica capaz de evitar o sofrimento e resignificar sua relação com o trabalho (Mendes e Muller, 2013).
    Nesta entrevista foi possível perceber que a assistente social, se utiliza da racionalização do sofrimento, afirmando que não é reconhecida pelos seus superiores (reconhecimento vertical), pois seu cargo é novo na empresa, porém existe o reconhecimento pelos clientes e pares (reconhecimento horizontal), o que lhe impulsiona a permanecer na empresa sem que haja o adoecimento, pois a mesma consegue resignificar este sofrimento, através da sublimação, sentindo-se pertencente a um grupo profissional, o que possibilita o reconhecimento de sua identidade singular, levando assim ao prazer no trabalho.
    Existem três aspectos da mobilização subjetiva que possibilitam a busca pelo prazer, são eles a inteligência prática, o espaço público de discussão e deliberação, a construção do coletivo de trabalho via cooperação e o reconhecimento. Através destes constituintes é que se provoca a mobilização para a resignificação do sofrimento.
    É importante ressaltar que o prazer está ligado à possibilidade do uso da criatividade da organização flexível, que não deixa os trabalhadores presos em um trabalho prescrito, possibilitando a abertura para a mobilização subjetiva que sustenta um trabalho que é real, (Souza, 2006). O que não é aplicado nesta empresa que a trabalhadora atua, pois a existência de hierarquias da mesma impossibilita o diálogo entre o coletivo, prejudicando a execução da inteligência prática no ambiente de trabalho, sendo desconsiderado totalmente o real do trabalho.
    É possível notar na fala da trabalhadora quando perguntado sobre a valorização em seu ambiente de trabalho e o relacionamento com as chefias, que dentro da organização existe uma falta de autonomia na execução de suas atividades em detrimento da existência de uma hierarquia, a mesma afirma que não consegue colocar em prática suas idéias, pois não há um diálogo entre o coletivo de trabalho e a não existência de uma organização flexível que possibilite o uso da criatividade, acaba prendendo os trabalhadores ao trabalho prescrito, o que dificulta que haja uma mobilização subjetiva que sustente um trabalho que é real e diverge em muitos aspectos do prescrito.
    A falta de diálogo entre o coletivo pode dificultar o uso dos mecanismos psicológicos (estratégias defensivas), essas estratégias têm a função de amenizar a percepção do sofrimento proveniente do trabalho, afastando os riscos de doença mental somática (Gernet, 2010), estas estratégias têm como finalidade auxiliar os trabalhadores a lidar com o sofrimento sem adoecer, com o intuito de permanecerem em seus cargos.
    Dejours (2011), ressalta que o sofrimento se torna criativo quando o sujeito consegue subvertê-lo em prazer a partir da inteligência da prática, que é astuciosa, criativa e subverte a prescrição para acrescentar a contribuição do sujeito para a organização do trabalho, entretanto esse ambiente de resignificação é tomado pelos entraves existentes na empresa, dificultando o alcance do prazer no trabalho.
Sofrimento
    Para Rosas, Moraes (2011) o sofrimento faz parte da condição humana e no ambiente de trabalho ele é ampliado, principalmente, em detrimento da lacuna existente entre Trabalho Real e Trabalho Prescrito. Ao se deparar com o real o sujeito experimenta o fracasso que no caso Assistente Social ocorre pelo fato dela não saber como lidar com o problema apresentado ou pelo fato de pensar em agir de uma forma diferente da implicitamente exigida pela cultura da empresa, o que a impede de solucionar o problema como ela gostaria.
    Dentro da Organização de trabalho existem muitas situações que podem ocasionar o sofrimento, salvo-conduto que a realidade exigida pelo cotidiano coloca o trabalhador muitas vezes diante de circunstâncias, na qual nem sempre é possível manejar o prescrito partindo do real. Como foi dito anteriormente, a organização e que a trabalhadora (assistente social) está inserida, dificulta que a mesma ofereça sua contribuição singular para criar soluções, o que pode acabar impedindo o movimento pela busca de realização de prazer. Para Dejours (2011), em troca de sua contribuição o sujeito espera receber uma retribuição, em forma de reconhecimento, que acaba por fortalecer a identidade e traz ganhos no plano da subjetividade do mesmo; esta falta de reconhecimento que leva ao sofrimento patogênico.
    Em casos como estes podendo provocar sofrimento no trabalho, como o estresse e o esgotamento físico e psíquico. Tal sofrimento pode provocar doenças sérias como a Síndrome de Burnout, síndrome que atinge principalmente os profissionais das áreas das ciências humanas, e que caracteriza-se por uma reação de estresse crônico, sentimentos de desilusão e frustração atrelados a vários fatores relacionados á função que o indivíduo exerce no seu emprego, onde o trabalhador percebe que não consegue retirar do seu trabalho, um sentido, um significado existencial. Esta parece ocorrer freqüentemente em pessoas que criam grandes expectativas com relação ao seu trabalho como explica SOUZA E SILVA.
    Burnout, parece acontecer em pessoas altamente motivadas e dedicadas, observando-se nos profissionais acometidos uma queda na performance que influi na qualidade dos serviços prestados (SOUZA; SILVA, 2002, pág. 38).
    Para que haja uma transformação do sofrimento é necessária a existência de um contexto que favoreça a participação intersubjetiva entre todos os atores envolvidos no processo dinâmico que é o trabalho. A existência de adversidades está diretamente vinculada ao cumprimento de metas produtivas, bem como, a importância da existência de um manejo permanente das relações interpessoais, com os pares de trabalho, com superiores, assim como os clientes.
    Quando esgotados os recursos defensivos e perdurando a vivência do fracasso que da origem ao sofrimento, Dejours (2007) considera como sofrimento patogênico. A potencialização do sofrimento leva a depressão e desestabilização. Que pode provocar uma crise de identidade, pois o sujeito passa a duvidar de sua capacidade, o que atinge sua identidade, podendo provocar patologias, tanto psíquicas quanto somáticas.
    Segundo Moraes (2013), o sofrimento pode tanto patogênico como pode também agir como um impulsionador de mudanças; pois quando vivenciado uma situação problema o sujeito busca uma solução em busca do alívio do sofrimento, esta busca pelo prazer através da subversão do sofrimento é fruto do sofrimento criativo. Esse processo é viabilizado quando ocorre a cooperação, através da existência de espaço para a fala e pelo reconhecimento, aspectos fundamentais para que ocorra essa subversão do sofrimento em prazer.
    Portanto é dentro deste contexto que a dinâmica do reconhecimento ganha uma ênfase maior, pois é a partir desta dinâmica que se torna possível superar os entraves que surgem na vivência real do trabalho. Esses entraves acabam dificultando a realização do trabalho dentro da instituição, impossibilitando que o mesmo exerça determinadas atividades que poderiam impulsionar o rendimento da instituição e proporcionar ao colaborador um maior bem estar dentro de seu setor de trabalho.
Reconhecimento
    Como foi dito anteriormente, observou-se a falta de reconhecimento da trabalhadora (assistente social) por parte das chefias, porém nota-se em seu discurso um enorme prazer em seu trabalho, fruto do reconhecimento dos pares e clientes, o que leva a concordar com a visão de Junior (2009), que o reconhecimento através de elogios dos pares e esta relação interpessoal entre colegas, surge como indicativo de prazer, o pertencimento a grupo que apesar das dificuldades enfrentadas, é capaz de superá-las.
    O reconhecimento é a forma de retribuição simbólica advinda da contribuição dada pelo sujeito, pelo engajamento de sua subjetividade e inteligência no trabalho (Lima, 2013).
    É registrado que a falta de reconhecimento no trabalho é muito prejudicial, já que o trabalho faz parte da constituição do sujeito, é ele quem identifica e define a pessoa humana, podemos concordar com a concepção de Dejours (2007, p.21), que visa o trabalho como um mediador insubstituível da realização pessoal no campo social, já que por meio dele é possível compartilhar e adquirir novos conhecimentos que podem nos ajudar na estruturação e constituição da personalidade. É importante ressaltar o que Dejours (1999, 2008) chama de contribuição-retribuição. O trabalhador contribui se esforça e faz coisas além do exigido na empresa e espera ser reconhecido pela mesma, si isto não acontece, sentimentos como insatisfação e desmotivação podem fazer com que o rendimento antes tido por este indivíduo no seu trabalho já não seja o mesmo, sem levar em consideração que em conseqüência deste trabalhador ultrapassar seus limites pode adoecer e se tornar um sujeito descartável.
    Para a psicodinâmica existe um triângulo da identidade, formado pelo Sofrimento – Trabalho – Reconhecimento, para Lima (2013) nesta tríade a retribuição simbólica proveniente do reconhecimento é composta pela construção de sentido atribuído à vivência de sofrimento no trabalho, sendo que esta retribuição proporciona a transformação do sofrimento em prazer.
    A falta de comprometimento da alta administração e demais gestores, tanto quanto discussões não claras e pouco freqüentes, podem desfavorecer o reconhecimento dos investimentos afetivo, físico e cognitivo realizado pelo sujeito para contribuir com a instituição, impedindo que o trabalhador busque formas de enfrentar, superar e transformar as situações deletérias inerentes ao trabalho. Somente é possível transformar o sofrimento em prazer no trabalho resignificando-o, isto é, lhe atribuído um sentido, o que confere ao trabalhador um sentimento de que valeu a pena todo o esforço investido na realização da atividade, e, caso não haja essa resignificação a relação do sujeito com o trabalho, confrontada com as distorções que sempre vão existir entre o trabalho prescrito e o real, continuará marcada pelo sofrimento, (Moraes, Rosas, 2011).
Conclusão
    Relacionando os dados colhidos durante a entrevista e os aspectos trazidos pela Psicodinâmica do Trabalho, compreende-se que a dinâmica do reconhecimento é constituída como uma ação essencial e imprescindível na construção da identidade individual e coletiva, criada a partir das relações estabelecidas no ambiente de trabalho, levando ao favorecimento da qualidade de vida e bem estar subjetivo do indivíduo, considerando o diálogo entre o coletivo de trabalho para que haja um rompimento nos entraves que impossibilitam a resignificação da relação de trabalho e do sofrimento, permitindo assim que haja um maior engajamento dos profissionais, criando uma organização flexível que possibilite a mobilização subjetiva, que dá abertura para a resignificação do sofrimento em prazer.
    A partir do que foi apresentado e discutido acima se pode concluir que é de extrema importância o reconhecimento vertical e horizontal no trabalho, pois isto fortalece a subjetividade e a identidade do indivíduo, fazendo com que este passe a utilizar sua criatividade para ter uma produtividade melhor e sentir prazer no trabalho que exerce. Entende-se que é preciso reconhecer o empenho dos trabalhadores dentro da organização de trabalho, pois é a partir deste reconhecimento que os mesmos se sentirão valorizados, para assim se impelirem na realização de seu trabalho e sentir prazer em contribuir com a organização.

Fonte:  http://www.efdeportes.com/efd202/trabalho-entre-o-prazer-e-o-sofrimento.htm

Trabalho: prazer ou sofrimento?


Resultado de imagem para vivencias de prazer e sofrimento no trabalho

O trabalho é uma das áreas que mais proporciona prazer e causa sofrimento aos seres humanos. Durante a minha trajetória como consultor de negócios, encontrei pessoas que realmente se sentem satisfeitas com sua função profissional, ao mesmo tempo que também tenho visto tantos outros que têm em seu trabalho uma grande fonte de desconforto e frustrações. Para a minha surpresa, o que mais percebo é o índice de insatisfação é grande tanto entre os empresários, quanto nos empregados.

Muitos funcionários reclamam de seus patrões e chefes, da rotina, das injustiças na empresa, da falta de perspectiva de crescimento, do salário e, principalmente, do fato de estarem trabalhando para alguém e não para seu enriquecimento.

Do outro lado, ouço empresários se queixarem da ingratidão de seus funcionários, da exigência dos clientes, da falta de estabilidade financeira, dos impostos e, também, de que muitas vezes, depois de pagarem todas as contas sobra pouco – e que apesar de serem os donos da empresa, outros ficam em situação melhor que a deles.

Sabemos que trabalho não é diversão, pois se assim fosse, ao invés de recebermos dinheiro em troca dele, teríamos é que pagar. Contudo, entre a felicidade plena utópica e antessala do inferno existe um caminho a ser percorrido. Realmente acredito que é muito possível ter um trabalho, seja ele como empregado ou como um empreendedor, e sentir-se realizado profissionalmente.

Diante do exposto, fica a pergunta: qual é a razão de experiências profissionais frustrantes?

Não existe um único motivo, há casos de pessoas que vivem para realizar os sonhos profissionais de seus pais, até aqueles que receberam um negócio como herança e se veem obrigados a trabalhar em algo em que não tem a menor habilidade e que não desejavam, entre muitas outras. Contudo, creio que existe uma tríade que engloba a maioria dos casos:

- Não trabalhar no que gosta

O primeiro fator a considerar é saber o que se gosta de fazer. Muitos não sabem dizer qual é o seu sonho e se não sabem onde querem chegar, como saber como ir?

“Trabalhe naquilo que gosta e nunca terá que trabalhar”, já disse Confúcio. Se todos seguissem tal regra, muito sofrimento seria poupado. Ou se jovens antes de decidirem em qual curso universitário deviam se matricular, ou para quais empresas e posições enviar seus currículos, investissem tempo pesquisando, conversando e estagiando, sempre com o objetivo de conhecer a fundo a carreira que estão escolhendo.

- Não trabalhar no que tem mais habilidades

Tenho verdadeira admiração por músicos e adoraria tocar perfeitamente um piano ou um violão. Sei que se decidir e me esforçar para aprender, posso até vir a tocar um desses instrumentos um dia, mas tenho perfeita consciência de que essa não é uma das minhas habilidades naturais e para me destacar como musicista teria que me dedicar muito. Consequentemente, teria uma grande dificuldade em ganhar dinheiro com música.

É fácil perceber isto quando se fala de música ou esportes, mas quando falamos de profissões, esta análise é muito menos óbvia. Deparo-me constantemente com empresários, que não gostam de liderar, com empregados que têm muita dificuldade em seguir instruções, vendedores que não gostam de relacionar-se com pessoas. Aí fica difícil, não é mesmo?

Atualmente, existem testes vocacionais muito bons, mas há um paradigma que isso é coisa para adolescentes que estão cursando o ensino médio. Isso não é verdade, uma vez que o mercado de trabalho está saturado de mulheres e homens maduros, que estão tão perdidos tanto quanto crianças.  Todos devem investir em autoconhecimento, por meio de testes vocacionais e análises de perfis - comportamental, temperamento e personalidade - pois quanto mais eu me conheço, mais me respeito e menos me coloco em situações que me frustram.

- Trabalhar sem resultados

Ainda que alguém faça o que sempre sonhou e que se sinta plenamente adequado às funções que desempenha, não há nada mais desmotivante do que trabalhar sem resultados. Sobre isto seria possível escrever um livro, pois há muitos fatores que influenciam no resultado do trabalho e dos negócios, mas posso rapidamente citar alguns poucos: falta de comportamentos empreendedores, mercado em que se atua, os “PÊS” de marketing, dentre muitos outros.

Sem nos aprofundarmos aqui nas causas, posso afirmar que, se uma pessoa está trabalhando por longo tempo em algo que não consegue crescer, ser promovido, galgar posições mais altas - é certo que há algo errado.

A falta de retorno financeiro mina qualquer projeto e destrói todo tipo de sonho. De forma que é muito importante analisar honestamente qual tem sido a performance daquilo que fazemos. Se não houver histórico crescimento ou perspectiva de sucesso, será preciso ter a coragem de romper com essa situação e mudar.

No trabalho gastamos muitas horas do nosso dia, em torno de um terço de nossas vidas. Portanto, não estar feliz e realizado nesta área equivale a dizer que estaremos presos em uma cadeia, sem termos sido condenados por um crime.

Afirmo isto porque já estive muito insatisfeito com meu trabalho anos atrás. Fazia bem o que me propunha fazer, as pessoas me admiravam, mas, dia após me violentava. Até ganhei dinheiro, mas adoeci por apenas trabalhar como uma engrenagem fora de medida dentro de um motor. Felizmente, tive a oportunidade e a coragem de mudar.

Hoje, trabalho bastante, enfrento muitos desafios diariamente, mas não considero mais uma violência, pois faço o que gosto, de acordo com minhas habilidades e por isso tenho um bom retorno financeiro do meu trabalho. E esta adequação é fruto do que foi semeado: autoconhecimento, entendimento dos pontos fracos, correção daquilo que era indesejável e assimilação de novos comportamentos voltados ao resultado.

Esta trajetória não é fácil, é trabalhoso, mas vale muito a pena! Tenha coragem de trilhar este caminho e realize-se nesta tão importante área de sua vida!

Fonte: https://www.baguete.com.br/artigos/16/10/2013/trabalho-prazer-ou-sofrimento

A importância na interação entre pessoas e organizações


Resultado de imagem para integração entre equipes de trabalho

Vivemos num mundo diversificado e cada vez mais competitivo, repleto de mudanças, dificuldades e problemas, onde devemos estar em constantes adaptações. Dentre essas mudanças, a Gestão de Recursos Humanos não poderia ficar de fora, passando inclusive a ser uma das áreas de destaque nas organizações. 

Há algum tempo atrás as pessoas eram vistas apenas como recursos de produção, máquinas, seres que não pensavam e só produziam, sem valorização profissional. As organizações não se preocupavam com o bem estar das pessoas, com os benefícios. Isto poderia ser visivelmente percebido na era industrial.  
Na era da informação, as pessoas passaram a representar o capital humano, vistas como seres produtivos. Este capital pode agregar mais ou menos valores para a organização. Existem características humanas: talento, conhecimento e competências que são fundamentais para gerar o crescimento organizacional. Entretanto, todas as características humanas não valem nada se as organizações não valorizá-las e não alavancá-las, ou seja, não permitirem que as pessoas mostrem as suas características e, conseqüentemente, saibam aproveitá-las. 
O Capital Humano é um conjunto de habilidades, atitudes, competências, conhecimentos e imaginação dos colaboradores das organizações. Neste contexto, a Gestão de Pessoas deve atrair, reter, desenvolver e motivar os colaboradores. 
O ser humano é um ser social, que vive constantemente em contato com outros seres. Cada ser tem suas restrições e limitações que, em conjunto, para conseguir um determinado objetivo se mobilizam formando as organizações. Estes objetivos não podem ser alcançados se executados apenas por uma pessoa, devendo ser realizados, em conjunto, através da cooperação entre os seres. 
As organizações estão focadas nos clientes para perceber seus desejos e assim os produzem. O recurso mais importante hoje é o conhecimento, ou seja, ter o conhecimento, saber usar, aplicar e agregar valores à organização. Neste contexto, as pessoas, são consideradas a base das organizações, pois possuem conhecimentos, habilidades e competências que são responsáveis pelo sucesso ou insucesso das organizações, fazendo parte do patrimônio das organizações, dotadas de conhecimentos e habilidades que agregam valores à organização. 
As pessoas são constituídas por valores, crenças, desejos, motivações e necessidades individuais. Cada pessoa tem sua história e sua percepção, ou seja, sua forma de ver, perceber e agir diante as situações. Além disso, as pessoas são movidas por emoções, aptidões, conhecimentos e talentos, que em decorrência de sua atuação são acrescentados às organizações. Podemos dizer que os indivíduos recebem influências familiares e sociais, que, conseqüentemente, interferem no seu comportamento. 
Neste contexto, as organizações devem estar preparadas e atentas para seus colaboradores e, conseqüentemente, para suas motivações e percepções, pois eles devem ser parceiros capazes de conduzi-las para o sucesso mais para tanto as pessoas devem ser tratadas como pessoas. Em contrapartida, os colaboradores devem ter inteligência emocional para saber lidar consigo, com os outros e principalmente com as organizações onde atuam, onde os objetivos, muitas vezes, são contrários aos seus. 
As necessidades individuais são mutáveis e passageiras, daí cria-se um ciclo motivacional dinâmico e constante. Cada indivíduo tem suas necessidades e estas necessidades são infinitas, quanto mais satisfazemos uma necessidade, mais aparecem novas. A tecnologia e as mudanças constantes em que vive o mundo atual contribuem para que novas demandas apareçam. 
A relação entre pessoa X organização é o resultado do clima da organização. Podemos dizer que ele nem sempre é uniforme, variando de acordo com a situação psicológica e com a motivação de cada colaborador e como ele recebe e percebe as informações do ambiente interno. Entretanto, o equilíbrio do clima é fundamental nesta relação. Sentimentos negativos exercem impactos negativos, e conseqüentemente, insatisfação dos colaboradores. Já os sentimentos positivos produzem impactos positivos. 
Antes o Departamento de Recursos Humanos ou Departamento de Pessoal era departamento de cunho burocrático, que controlava as atividades contábeis, legal e administrativa, dentre elas: rotinas de pessoal, contratação.
 Hoje a Administração de Recursos Humanos ou Gestão de Recursos Humanos ou ainda Gestão de Pessoas passou a ter outra postura. As pessoas não podem mais ser vistas como custos ou como recursos descartáveis, principalmente porque as organizações não mais administram pessoas, e sim administram com as pessoas, pois elas fazem parte do processo a são vistas como patrimônio e como recursos produtivos. 
Os gestores de Recursos Humanos devem ser agentes de mudanças, além de valorizar o conhecimento, partindo do principio que o aprendizado é contínuo e conseqüentemente agrega valor aos colaboradores e à organização. 
Os gestores de Recursos Humanos devem ter empatia e sensibilidade para perceber as emoções presentes nas equipes. A Administração de Recursos Humanos deve, ao mesmo tempo; alavancar a organização e estar preocupada com seus colaboradores, desenvolvendo e mantendo a qualidade de vida no trabalho de forma harmoniosa.
 Neste contexto, a Administração de Recursos Humanos deve ser uma área capaz de transformar as organizações em organizações cada vez melhores, buscando a valorização das pessoas para que elas aprendam a aprender e apliquem seus conhecimentos na organização, contribuindo para o sucesso organizacional. 
As organizações passaram a reconhecer e valorizar as pessoas, percebendo inclusive que as mesmas agregam valores e representam o Capital Intelectual, ou seja, não representam custos. Tal fato pode ser evidenciado nas organizações atuais e nos colaboradores que nelas atuam. Inclusive, percebe-se a preocupação das pessoas estarem buscando o aprendizado contínuo, através de graduação, pós-graduação e cursos especializados nas atividades que executam na empresa. Além disso, as próprias empresas têm buscado investir nos seus colaboradores, através de treinamentos e do compartilhamento do conhecimento. 
Entretanto, podemos ainda encontrar algumas organizações onde a forma de gestão ainda é burocrática, com características mecanísticas, fruto do modelo de gestão utilizado na Era Industrial. Contudo, organizações com estas características não terão vida longa, pois para o sucesso ou fracasso das organizações é necessário que seus colaboradores estejam comprometidos e que estejam em interação com os objetivos e valores organizacionais. Além disso, todo ser humano precisa de reconhecimento. 
Neste contexto, se faz necessário que as organizações estejam atentas para as mudanças que vivemos e ainda vamos viver, afinal as organizações são constituídas de pessoas e seu ambiente é dinâmico, composto de fatores internos e externos e os colaboradores das organizações precisam estar inseridos neste contexto organizacional. Por isso, mais uma vez salientamos a importância na interação entre as pessoas e as organizações. 
Percebe-se que os fundamentos básicos para a interação entre as pessoas e as organizações são:
 1. Que as organizações percebam e compreendam que:
  • para uma organização existir são necessárias pessoas;
  • os colaboradores têm percepções, interesses e necessidades individuais e coletivas;
  • os colaboradores têm papel fundamental no resultado da organização ( fracasso ou sucesso) representando inclusive o Capital Intelectual;
  • devem constantemente educar, planejar e integrar os colaboradores.

2. Que as pessoas percebam e compreendam que:
  • as organizações têm missão, visão e objetivos gerais e específicos;
  • elas passam a maior parte do tempo nas organizações e que devem manter uma relação harmônica e produtiva na organização;
  • elas devem agregar valor à organização, sendo inclusive responsáveis pelo resultado da organização (fracasso ou sucesso).
Neste contexto os fundamentos básicos estão contidos na própria relação de interação: pessoas X organizações. 
Desta forma, a Gestão de Recursos Humanos ganhou um papel estratégico e importante nas organizações, onde de um lado defende os interesses da organização, com estratégias voltadas para o negócio e do outro defende os interesses dos empregados, compreendendo assim os interesses individuais, organizacionais e coletivos, objetivando a interação entre as pessoas e a organização onde atuam de forma harmoniosa e estável.
 Percebe-se que, a Gestão de Recursos Humanos tem 03 (três) funções básicas: planejar, integrar e educar, e que através destas funções juntas a Gestão de Recursos Humanos interage constantemente com as pessoas e as organizações.
Fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/a-importancia-na-interacao-entre-pessoas-e-organizacoes/47977/

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Endomarketing: Comunicação no ambiente de trabalho


Resultado de imagem para endomarketing

Da mesma forma que usamos o marketing para nos comunicarmos com o mercado, anunciar produtos e construir a marca de nossa empresa, o endomarketing, também chamado de marketing interno.
Ele compreende uma série de ferramentas que visam manter todos os colaboradores a par do que está ocorrendo na empresa, sua missão, visão e valores, planos estratégicos, ações táticas e procedimentos operacionais.
A comunicação no ambiente de trabalho também é usada em treinamentos, palestras, convenções de vendas, cerimônias comemorativas, campanhas de incentivo e eventos corporativos, como inaugurações e festas de final de ano, por exemplo.

Principais canais de comunicação do endomarketing


Jornal Corporativo: publicação impressa e periódica que é distribuída a todos os colaboradores e às vezes até a familiares, fornecedores e outros Stakeholder com o objetivo de manter todos informados sobre fatos e dados relevantes sobre a organização.
Revista Corporativa: semelhante ao jornal impresso, porém produzida em formato de revista, com materiais mais nobres e capa diferenciada.
Boletim Impresso: semelhante a um pequeno jornal, sem periocidade definida.
Jornal, Revista ou Boletins Virtuais: com o mesmo conteúdo dos materiais impressos, só que enviados por e-mail.
Newsletter: o mais tradicional dos informativos via email, desempenhando funções similares às dos materiais acima.
Jornal Mural: espaço reservado, geralmente em locais de grande circulação na empresa, onde são afixados e expostos cartazes, outros materiais impressos e mesmo edições dos jornais das empresas para conhecimento geral.
Faixas e cartazes: muito usados em campanhas motivacionais, de incentivo de vendas e para divulgação de eventos internos.
Site da empresa: por estar aberto ao público, em geral também acaba sendo usado de alguma forma para a empresa se comunicar no ambiente corporativo.
Intranet: usa a internet de forma mais reservada, com acesso restrito por login e senha, garantindo a segurança e a privacidade da comunicação no ambiente corporativo.
Mídias Sociais: um canal muito importante de comunicação com os clientes da empresa, podem ser usadas de forma cautelosa para se comunicar com os colaboradores, sem misturar excessivamente as mensagens para diferentes receptores.
Uma maneira de gerenciar isso é usar grupos fechados, principalmente para forças de vendas, aproveitando-se da agilidade e da espontaneidade desses canais de comunicação no local de trabalho.
Sistemas e softwares de informação e gestão: essas são as mais efetivas ferramentas para a disseminação da informação, pois permitem atualizações em tempo real, definição de acessos por hierarquia, filtros, pesquisas, gráficos, avisos, alertas e muitas outras funcionalidades que tornam a informação muito ágil, podendo ser tratada de forma estratégica e que traz mais resultados.
A escolha do canal correto sempre traz ganhos à comunicação no local de trabalho.
Um software de CRM pode ajudar muito na gestão de sua empresa, mas é preciso implementar também uma cultura de CRM.

Eventos, pronunciamento e discursos: Falar pessoalmente sempre é uma maneira muito eficaz de passar mensagens. É por isso que a comunicação no local de trabalho não pode prescindir de discursos de líderes, cerimônias de inauguração ou lançamento de produtos, festas de final de ano ou entrega de premiações.
Além de motivar muito as equipes, essas ocasiões podem ser usadas pela assessoria de imprensa para repercutir na mídia, favorecendo o branding da empresa. 

Grandes líderes da atualidade, como Bill Gates, Steve Jobs e até Barack Obama são vistos como mestres neste tipo de comunicação.


Fonte: Fonte: http://www.agendor.com.br/blog/comunicacao-no-ambiente-de-trabalho/